Família

Pinaceae

Nome Comum

cedro-do-Himalaia, cedro

Origem

Ásia, mais concretamente Afeganistão e Nordeste dos Himalaias.

Tipo de Origem

alóctone

Autor

(Roxb. ex D.Don) Don

Descrição

Árvore de grande porte piramidal que pode, por vezes, atingir os 70 m de altura, com ramificações pendentes, irregularmente verticiladas. O tronco é direito, com cerca de 1 m ou mais de diâmetro, a casca é cinzento-escura, gretando em escamas irregulares. As folhas são aciculares e compridas (50 mm ou mais de comprimento), de cor verde-claro, dispostas em fascículos. Os cones masculinos são solitários, ovoides, eretos, com 7 a 12 cm de comprimento, com o ápice arredondado, erguidos no centro das rosetas de folhas. Os frutos são estróbilos (pinhas) ovoides, com 8 a 12 cm, que amadurecem entre o segundo e terceiro ano após a floração, desintegrando-se na maturação; As sementes são aladas.

Tipo de Reprodução

monóica

Forma de Vida

árvore

Ínicio de Floração

junho

Fim de Floração

agosto

Perenidade

perenifólia

Inflorescência

cone

Cor da Flor

verde

Tipo de Folha

simples

Inserção de Folha

roseta

Margem da Folha

inteira

Limbo da Folha

acicular

Tipo de Fruto

pinha

Consistência do Fruto

seco

Maturação do Fruto

junho

Habitat

Surge nas regiões montanhosas dos Himalaias, entre os 1200 e os 3400 m, formando florestas associado a outras coníferas, em solos siliciosos profundos e com grande humidade.

Observações

É conhecido por cedro-do-Himalaia, por ser oriundo das montanhas do Himalaia. Foi introduzido na Europa no ano 1820, e é utilizado como espécie ornamental. Em Portugal encontra-se muito difundido em parques e jardins, tendo um bom desenvolvimento. É uma espécie de rápido crescimento, atingindo um porte normalmente superior às outras duas espécies de Cedrus (C. atlantica e C. libani). É mais sensível às geadas e à seca do que as outras duas espécies.

Multiplica-se por sementes e as cultivares por enxertos. É muito frequente a hibridação em viveiros entre Cedrus atlantica, Cedrus deodara e Cedrus libani, resultando por isso muitas cultivares pelo que se torna por vezes difícil a sua identificação. São frequentes as cultivares: ‘Argentea’, ‘Aurea’, ‘Compacta’, ‘Fastigiata’, ‘Pendula’ e ‘Glauca’.

Aplicações

Possuí uma excelente madeira, muito duradoura, com um agradável aroma, sendo utilizada em diversas construções e carpintaria.

5 Exemplares no Parque


Porte


Folha


Flor


Fruto


Tronco