Família

Cupressaceae

Nome Comum

cipreste-de-Lawson, cedro-branco, cedro-do-Oregon

Origem

América do Norte (Oeste dos Estados Unidos, estados do Oregon e Califórnia).

Tipo de Origem

alóctone

Autor

(A.Murray) Parl.

Descrição

Árvore sempre-verde, piramidal, com 25 a 60 m de altura. O tronco é grosso e colunar. A Casca é gretada longitudinalmente, de cor escura. As folhas são escamiformes, agudas, que se alternam aos pares opostos sobre raminhos achatados, de modo a formarem 4 fileiras de folhas densamente imbricadas, com o dorso provido de uma pequena glândula resinosa. As ramificações de última ordem produzem-se num único plano, de modo a parecer que foram prensadas. Os cones masculinos são terminais, ovoides ou alargados, com 6 a 8 pares de escamas, cada uma com 2 a 4 sacos polínicos. Os cones femininos são globosos, agrupados na terminação dos ramos, com 8 a 10 escamas em forma de chapéu-de-chuva, cada uma com 2 a 5 sementes avermelhadas, aladas, com duas glândulas de cada lado. Os frutos são estróbilos (pinhas), possuem cerca de 0,7 a 1 cm, sendo uma miniatura da pinha do cipreste comum e, por isso é muitas vezes confundida com este.

Tipo de Reprodução

monóica

Forma de Vida

árvore

Ínicio de Floração

março

Fim de Floração

junho

Perenidade

perenifólia

Inflorescência

estróbilo

Cor da Flor

vermelho

Tipo de Folha

simples

Inserção de Folha

imbricada

Margem da Folha

inteira

Limbo da Folha

escamiforme

Tipo de Fruto

gálbula

Consistência do Fruto

seco

Maturação do Fruto

setembro

Habitat

Ocorre naturalmente ao longo de ribeiros, vales e encostas húmidas da América do Norte ocidental, desde o nível do mar até uma altitude de 1500m.

Observações

Pertence à Família das Cupressaceae, assim como os Cupressus, distinguindo-se fundamentalmente destes por terem uma folhagem menos homogénea, com ramos achatados (com folhas laterais e faciais) e gálbulas mais pequenas, de maturação anual com 2 a 5 sementes por escama. Devido a esta grande semelhança com os Cupressus (ciprestes), são conhecidos vulgarmente por falsos ciprestes.

O epíteto específico, lawsoniana, é dedicado aos Lawson de Edimburgo, que receberam as primeiras sementes desta planta, em 1854. É uma planta excelente para cultivos florestais. Cultiva-se em parques e jardins ou para formar sebes, conhecendo-se cerca de 127 cultivares distintas. Estas variedades de cultivo diferenciam-se pelo porte, cor da folhagem, etc. 

Aplicações

A madeira é branco-amarelada, fina e uniforme, aromática e elástica; trabalha-se facilmente, recebe bem o polimento e dá um bom acabamento, resistindo muito bem à putrefacção, quando em contacto com o solo. É apreciada na carpintaria de interiores e exteriores. É considerada uma planta algo tóxica.

47 Exemplares no Parque


Porte


Folha


Flor


Fruto


Tronco